Galeria de Pinturas

Disponibilizamos algumas de nossas pinturas, porém esta página ainda está em construção.

ALMA-DE-GATO

Piaya Cavana

Ave das mais vistosas, com comprimento de 47 centímetros, cabendo dois terços à cauda. Andam em casais ou solitários, na mata e à beira da mata. Esta espécie de ave tem grande habilidade em pular e correr pela ramagem sendo muitas vezes confundida com um esquilo. A maioria vem ao solo para se alimentar. O macho, ao cortejar a fêmea, entrega-lhe uma lagarta. Durante o período de reprodução, podem piar durante horas seguidas, quase sem parar. Costumam também imitar vozes de outras aves.

   

AVOANTE

Zenaida auriculata

É uma espécie de pomba e mede 21 cm. É um pouco maior que a Rolinha. Alimenta-se geralmente de graminhas, sementes e frutinhas. É considerada importante dispersora de sementes. Infelizmente esta espécie de ave é também facilmente envenenada por sementes tratadas com agrotóxicos. Voa bem, como todas as pombas, com vôos rasantes e movimenta-se no solo com passinhos miúdos e rápidos. Como são aves de áreas um pouco mais áridas, costumam procurar por mananciais distantes entre 30 e 40 km. Durante o acasalamento, o macho faz reverências diante da fêmea e os casais são inseparáveis. No Nordeste, a Avoante aparecia aos milhares, atraída pela frutificação do marmelo. As aves foram tão caçadas para alimentação que atualmente estão mais escassas.

   

CARCARÁ

Polyborus plancus

Com 56 centímetros e 123 centímetros de envergadura, o Caracará é considerado uma ave de rapina. É onívoro, alimentando-se tanto de animais mortos como vivos. É bastante útil na natureza, pois aprecia muitos tipos de animais, inclusive em início de decomposição.
Seu ninho é toscamente construído. Geralmente criam um único filhote por ninhada. O macho adulto pesa cerca de 600 gramas e necessita de 100 gramas de carne por dia (equivalente a duas rolinhas), enquanto a fêmea, que pesa um quilo, requer de 150 a 180 gramas diárias. Assim, se a fêmea consumir um pombo (cerca de 300 gramas), ela jejuará no dia seguinte ou caçará apenas uma presa pequena. Nenhum animal na natureza exagera na alimentação, consomem apenas o que realmente necessitam.

   

MARIQUITA

Parula pitiayumi

Pertencem ao grupo dos agitados pula-pulas, e são bastante inquietos em seu comportamento. Medem mais ou menos 10 cm e passariam despercebidas nas copas das árvores, não fosse por seu canto incansável, inclusive nas horas mais quentes do dia. Alimentam-se de insetos bem pequenos e lagartas procuradas muitas vezes na parte inferior das folhas. É interessante que também gostam da excreção adocicada dos pulgões. O ninho é feito em forma de uma cestinha aberta dentro de bromélias ou entrelaçado nas tranças da barba-de-velho. Os ovos são brancos salpicados de roxo.

   

PAVÃO-DO-MATO

Pyroderus scutatus

É uma ave belíssima de aproximadamente 46 centímetros, sendo que a fêmea é menor. Por causa da destruição ambiental e da caça, o pavão-do-mato está se tornando muito raro, pois necessita de áreas amplas de mata para sua sobrevivência. No Embu têm sido vistos, sozinhos ou aos pares, próximos às árvores frutificando, tais como, pitangueiras, amoreiras, caquizeiros e também palmeiras. Pode ficar muito tempo parado em algum galho mais ou menos próximo da árvore em questão, bem quieto, fazendo a digestão, o que torna o momento extremamente propício para tirar belas fotos. Tipicamente come as mesmas frutas que os tucanos. Durante a época de acasalamento, inflam a região da garganta, dando um efeito ainda mais exuberante às plumas avermelhadas.

   

PIA-COBRA ou CANÁRIO-DO-BREJO

Geothlypis aequinoctialis

O Pia-cobra habita áreas associadas à água, preferindo brejos com arbustos ou moitas de capim, matas ribeirinhas e buritizais. É insetívoro, com um bico fino e forte, bem adaptado a esta dieta de insetos. Na época de acasalamento o macho muda o seu comportamento, que normalmente é tímido e recluso, e sobe em galhos ou gramas expostas, e canta desinibidamente. Os seus ninhos são tecidos em forma de tigela funda e aberta, dentro de moitas de capim.

   

PICA-PAU-DE-BANDA-BRANCA

Dryocopus lineatus

É ave muito útil na natureza, pois sem os pica-paus os insetos carunchados se multiplicariam sem controle. Com pancadas ligeiras, a árvore é primeiro perscrutada para descobrir os pontos carunchados e então começam as marteladas sonoras que são ouvidas ao longe, e põem a descoberto as larvas e os besouros que constituem sua alimentação. Seu bico pontiagudo funciona como uma pinça e a língua, que é extremamente longa, pode ser até cinco vezes maior que o bico. Árvores mais velhas e também as consideradas mortas pelos seres humanos são de importância fundamental para os pica-paus. Tanto para sua alimentação, quanto para a reprodução, pois são estas árvores que são procuradas para fazerem os ninhos.

   

PITIGUARI

Cyclarhis gujanensis

O detalhe interessante do Pitiguari é o gancho na ponta do bico utilizado para agarrar sua presa. Ele costuma ficar escondido entre a folhagem das árvores, e passaria despercebido, não fosse por seu canto que é muito expressivo e contínuo. Vive à beira da mata, parques e quintais bem arborizados. Come insetos e larvas além de lagartas, inclusive as peludas que ele caça com movimentos deliberados, exibindo um temperamento mais calmo que a Mariquita. Aprecia também frutinhas. Tem 16 cm.

   

QUERO-QUERO

Vanellus chilensis

Com 37 cm é uma das aves mais estimadas nas fazendas. Vive em campos, banhados e capinzais, alimentando-se de insetos e outros artrópodes encontrados no solo. Fazem seus ninhos no solo, em local seco. Os ovos são manchados de maneira a se confundirem com o local, ficando camuflados, e têm o formato de pião ou pêra. O macho torna-se extremamente agressivo para defender sua prole. Inclusive tem dois ganchos avermelhados na curva da asa que ele exibe para os invasores. Se a demonstração de superioridade não funcionar o Quero-quero tenta atrair os inimigos para longe de seu ninho e finge que não poderá escapar da perseguição. Seu nome "Quero-quero" é de origem onomatopéica, isto é, sua pronúncia imita o som feito pela ave, sendo repetido incessantemente durante o dia e às vezes também à noite.

   

SABIÁ-LARANJEIRA

Turdus rufiventris

O Sabiá-Laranjeira é uma ave muito popular no Brasil. Tanto que foi oficialmente escolhida como ave símbolo do nosso país. Vive na mata, nos quintais, parques e cidades. Seu canto é forte, melódico e contínuo cantando o ano todo. O ninho é feito com raízes, vegetais e musgo, reforçado com barro, em formato de tigela funda com paredes grossas. Os ovos são verde-azulados e os filhotes deixam o ninho após mais ou menos 17 dias. Esta espécie de sabiá tem 25 cm. Alimenta-se dos frutos de diversos tipos de árvores tais como: embaúba, falsa-erva-de-rato, pimenta-malagueta, amoras, os coquinhos de vários tipos de palmeiras, e aprecia laranjas e mamões maduros. Também come insetos.

   

SAÍRA-AMARELO

Tangara cayana

Vivem aos pares ou em pequenos grupos, freqüentando árvores com frutos maduros. Além de se alimentarem de diversos tipos de frutinhas, folhas, botões e néctar, apanham insetos e lagartas, sobre as folhas ou debaixo delas. Por isso são freqüentemente vistos suspensos de barriga para cima, enquanto se alimentam, pendurados nos galhos. Têm 14 centímetros e vivem na capoeira, cerrado e quintais. Há 29 espécies de saíras e são aves que chamam muito a atenção devido ao seu belíssimo colorido. Embora seja auxiliada pelo macho, a fêmea é a principal responsável pela construção do ninho, incubação dos ovos e aquecimento dos filhotes, enquanto o macho permanece nas proximidades auxiliando.

   

SANHAÇO-CINZENTO

Thraupis sayaca

É um dos pássaros mais abundantes do Brasil e representa a subfamília Thraupinae, em grande parte aves de belíssimas cores. Vive nas árvores tanto em campos na área rural, quanto em cidades. A sua cor sugere o céu azul. Além de apreciarem frutinhas, também caçam insetos em pleno vôo, tais como cupins em revoada ou borboletas. Seu ninho geralmente se parece com um cesto aberto e bem elaborado, construído numa forquilha de árvore. O casal é responsável pela alimentação dos filhotes que deixam o ninho após 20 dias. O tamanho do Sanhaço-Cinzento é 17,5 cm.

   

TANGARÁ-DANCARINO

Chiroxiphia caudata

Pássaro conhecido por suas danças. O macho tem colorido intenso, azul turquesa, preto e branco, com um topete vermelho no alto da cabeça. Durante a dança de acasalamento, diversos machos, às vezes até seis, com um dominante, fazem uma dança muito bem coordenada, que dura 30 segundos até dois minutos, podendo ser repetida diversas vezes. A fêmea é verde-escura, discreta na aparência, garantindo assim a sua sobrevivência e a da prole, pois apenas ela é responsável pela nidificação. Constrói uma cestinha numa forquilha bem alta, utilizando-se de teias de aranha para colar o material da construção.

   

TESOURÃO

Eupetomena macroura

É uma das maiores espécies dos maravilhosos beija-flores, medindo 18 cm. Sua cauda é quase 2/3 do seu tamanho total. A base da alimentação dos beija-flores é o açúcar, fornecido através do néctar das flores. Ao colocar o bico dentro das flores, sua testa fica cheia que pólen, assim ele vai polinizando muitas espécies de flores. No entanto, além de néctar, os beija-flores também se alimentam de insetos, inclusive os mosquitos responsáveis pela transmissão da dengue e da febre amarela. A observação do vôo dos beija-flores serviu como modelo para a invenção do helicóptero. Para que se mantenham imóveis no ar eles batem as asas, formando um oito, para que cada batida os levante para cima.

   

TICO-TICO

Zonotrichia capensis

Encontrado praticamente em todas as regiões do Brasil, o Tico-Tico é um pássaro muito popular e estimado, por seu convívio muito próximo ao ser humano. Ficou famoso no exterior por causa da canção de Carmen Miranda: "Tico-Tico no Fubá". Constrói seu ninho com muito cuidado, com raízes finas e palhinhas, revestido com ervas, pêlos e crinas de animais, em arbustos, moitas, capins, barrancos e também no chão. É hospedeiro do chopim, cuja fêmea, assim que descobre um ninho feito e já com ovos, entra sorrateiramente e deposita lá um ovo seu em meio aos demais. É, portanto, comum vermos um tico-tico adulto alimentando uma ave preta a qual, apesar de ainda filhote é bem maior que seus supostos pais. Alimenta-se de besouros, formigas, larvas e diversas espécies de insetos e inclusive de fubá. Vive em áreas abertas como campos, jardins e praças, saltitando pelo chão, geralmente um casal ou grupinhos de três ou quatro. Mede 15 cm.

   

TUCANO-DE-BICO-VERDE

Ramphastos dicolorus

Tucanos alimentam-se de diversos tipos de frutos, tais como: os frutos da figueira, imbaúba, goiaba, coquinhos das palmeiras, palmito, etc., tornando-se seus dispersores. Além disso, comem também ovos dos ninhos de outras aves menores e também filhotes pequenos. É comum tucanos serem vistos perseguidos por outras aves com intenso alarido e sinal de protesto. Os tucanos chamam muita atenção por seu colorido e pelo tamanho de seu bico, o qual, em algumas espécies, pode mesmo exceder seu tamanho. Por ser uma ave muito bela e colorida é objeto do tráfico de animais silvestres, um crime que movimenta milhões de dólares anualmente.

   

TUIM

Forpus xanthopterygius

O Tuim é considerado o menor psitacídeo do Brasil, país mais rico do mundo nesta família de aves, cujos maiores representantes são as araras. O macho tem grande área azul na asa e no baixo dorso, enquanto a fêmea é quase totalmente verde, com área amarelada na cabeça e nos flancos. O tuim vive à beira da mata e é inquilino regular do João-de-barro, pois costuma ocupar ninhos vazios desta ave, além de instalar-se também em ocos de cupinzeiros. Os filhotes abandonam o ninho com cinco semanas e se separam dos pais apenas quando estes começam de novo a acasalar. Até então são vistos sempre voando juntos. Os tuins vivem em bandos e, sempre que pousam, se agrupam em casais.

Fontes:ORNITOLOGIA BRASILEIRA – Helmut Sick
Guia de Campo Aves da Grande São Paulo – Edson Endrigo e Pedro F. Develey
Marc Egger - especialista em observação de aves